SASEE.png

ARTIGOS DA REDAÇÃO

CORRER DEVAGAR É BOM, FAZ BEM, MAS CANSA!

Quem já acompanhou numa prova ou treino um parceiro mais iniciante deve entender sobre esse assunto. Esse texto poderá gerar um tremendo embrulho nos treinamentos, mas talvez também solucionar (ou dar possíveis soluções) ao mistério gerado pelo questionamento: POR QUE FICO MAIS DOLORIDO (A) FAZENDO DEVAGAR DO QUE RÁPIDO?

A NATUREZA DAS CONTRAÇÕES MUSCULARES

A contração muscular pode ser classificada em três formas: concêntrica, excêntrica e isométrica. A CONSCÊNTRICA é a contração é dinâmica e constitui em um encurtamento do músculo, gerando um movimento articular. Um bom exemplo é o chute no futebol. A EXCÊNTRICA é antagônica da relatada anteriormente, pois ocorre um alongamento do músculo, de forma a controlar o movimento. Exemplo dessa contração é quando vamos colocar um objeto em cima da mesa, Ela tem capacidade maior de hipertrofia que a concêntrica, então poderá ser mais forte, mais resistente que a primeira, no entanto requer mais estímulos motores centrais para o fato. Preste atenção nisso!

LESÕES, FADIGA E CONTRAÇÃO MUSCULAR

As lesões musculares podem ser classificadas em: lesão muscular induzida pelo exercício (dor muscular tardia), contusões, estiramentos e avulsões (REID, 1992). Os estiramentos podem ser subdivididos em graus de acordo com a intensidade da lesão. Grau I a III (BODEN; GARRET, 2002).

As lesões musculares por estiramento ocorrem, de forma geral, em resposta a um ALONGAMENTO BRUSCO DO MÚSCULO EM CONTRAÇÃO, ou seja, mais comuns na tentativa de impor velocidade ou explosão a uma musculatura pós contração excêntrica: O que? Já percebeu a quantidade de lesões de posterior da coxa que acontecem após querer impor velocidade ou mesmo segurando a velocidade numa descida?

Vemos muito a contração excêntrica nos treinos mais lentos e técnicos, onde precisamos “pensar” mais para realiza-lo do que apenas usar a dinâmica e a cinemática acontecer. Pessoas mais treinadas tentem a aproveitar mais desse “embalo”, haja vista melhor condição física, que os mais iniciantes. Vemos isso também nas LUTAS, CROSSFIT, MUSCULAÇÃO (chamam na academia de “fazer roubado”) ...

UÉ? SE É MAIS RESISTENTE E FORTE, COMO LESIONA POR FADIGA?

Há evidências de que o exercício dotado COM MAIS CONTRAÇÕES EXCÊNTRICAS resulte em um tipo específico de fadiga muscular. A FADIGA CENTRAL

Sobre os mecanismos centrais de fadiga, sugere-se a hipótese de que a instalação do quadro de deterioração da performance esteja ligado a UM AUMENTO DE SEROTONINA NO CÉREBRO, o que resulta em fadiga central/mental (Davis, 1995). Um outro mecanismo por feedback parece atuar também, interligando déficit metabólico ao funcionamento do sistema nervoso central: MUDANÇAS METABÓLICAS NO MÚSCULO (aumento em lactato/redução no pH) poderiam levar a uma redução no comando central por afetar o recrutamento das unidades motoras; porém, tal relação não é totalmente consolidada (Green, 1995).

Há evidências de que o exercício excêntrico resulte em um tipo de “fadiga de baixa frequência”, podendo significar uma alteração do complexo excitação-contração, o qual liga o potencial de ação na superfície da membrana com a ativação da actomiosina pelo cálcio (Jones et al., 1989). A fadiga de baixa frequência representa UMA FALHA ESPECÍFICA EM GERAÇÃO DE FORÇA EM SITUAÇÃO DE BAIXA FREQUÊNCIA DE ESTIMULAÇÃO, possivelmente estando envolvidas neste processo as alterações de ultraestruturas celulares ocasionadas pela ruptura de sarcômeros por intermédio do exercício excêntrico (Warren et al., 1993b; Gibson, Edwards, 1985).

EM SUMA, fazer devagar demais, por falta de estímulos centrais sobre a musculatura, poderá ter forte influência sobre a concentração de ácido lático na musculatura e provocar até micro lesões. Estranho? Mas na prática sabemos que acontece.

É FATO que correr, nadar, pedalar devagar, ou com mais ciclos excêntricos ajudam a desenvolver a musculatura (hipertrofia), nos permitem também mais relações interpessoais e sociais dentro da equipe ou dos grupos, bem como o companheirismo sendo assim DEVEM SER ESTIMULADAS. O artigo vem apenas tentar elucidar o mistério do atleta que correndo devagar chega mais “acabado” do que se tivesse dado seu melhor na prova.

Não confundir que não se deve SOLTAR... Cada atleta “solta” em uma velocidade diferente. O solto de um queniano deve ser melhor que o seu melhor pace.

Leia mais em:

http://www.eeffto.ufmg.br/biblioteca/1726.pdf

http://www.efdeportes.com/efd156/fadiga-muscular-e-exercicio-excentrico.htm

AUTISMO E ATIVIDADE FÍSICA

Aproveitando a semana de consciência do Autismo vamos aproveitar e falar de um tema que requer muita atenção de pais, professores e demais envolvidos na aprendizagem de crianças com autismo.

Autismo é um transtorno global do desenvolvimento marcado por três características fundamentais: Inabilidade para interagir socialmente dificuldade no domínio da linguagem para comunicar-se ou lidar com jogos simbólicos e padrão de comportamento restritivo e repetitivo.

Imaginem uma paleta de cores daquelas que olhamos antes de escolher a tinta que irá ocupar nossas paredes. Escolha uma cor e verá que dentro dessa cor teremos uma imensa paleta de variações de cores dessa escolhida. Assim é o espectro visível da cor! O autismo tem um espectro como aquela cor, ou seja, tem variações da mais sutil a mais evidente, portanto, uma criança ou adolescente autista provavelmente não será igual a outra, mesmo com sinais ou características semelhantes.

Então, não será fácil em alguns casos!

NOS ESPORTES INDIVIDUIAS

Aqui falamos da Natação, corridas, artes marciais, (...). São de forma geral excepcionais para os diversos graus do espectro sabendo que e sua aprendizagem motora irá depender muito de quão segura a criança se apresenta, da participação efetiva dos pais ou responsáveis, inclusive praticando a atividade JUNTOS com eles.; Juntos?

Há uma forte tendência do autista perder interesse na atividade e buscar a alegria no “seu mundo”. A presença dos pais pode garantir maior participação; apitos, assovios e gritos devem ser policiados (até evitados) em virtude da hipersensibilidade auditiva que muitos deles possuem. Autistas entendem sentimentos e não indiretas ou frases de duplo sentido. Imaginou você explicando a perna de borboleta para alguém que leva ao pé da letra essa informação? Ele fará a pernada desejada ou imitará as assas da borboleta?

Sim, autistas em sua maioria não entendem expressões que querem dizer outras, por isso ao ter sua atenção, dê informações rápidas, precisas ou conhecidas por ele. Não grite! Fale olhando para ele (a).

Alguém poderia perguntar: Mas existem autistas que são notáveis e de grande inteligência!? Verdade, mas lembre-se do espectro, a grande maioria não é bem assim

NOS ESPORTES COLETIVOS

Nos grais menos avançados ou evidentes do TEA (transtornos do espectro autista) o esporte coletivo é uma grande sacada para promover a interação social da criança, no entanto, essa dificuldade em relacionar deve ser monitorada e não forçada. O jogador argentino Leonel Messi possui um grau de autismo leve. Notou a possibilidade?

ALGUMAS DICAS

·         É fundamental descobrir um meio ou técnica, não importam quais, que possibilitem estabelecer algum tipo de comunicação com o autista; Eles gostam muito quando batemos palmas ou nos alegramos com os acertos, mesmo que sejam, para muitos, coisas simples

·         Autistas têm dificuldade de lidar com mudanças, por menores que sejam; por isso é importante manter o seu mundo organizado e dentro da rotina; Se possível evite trocar de lugar, inclusive de raias. O foco dele é a aprendizagem e não a competição.

·         Apesar da tendência atual ser a inclusão de alunos com deficiência em escolas e turmas regulares, as limitações que o distúrbio provoca devem ser respeitadas. Há casos em que o melhor é procurar uma instituição, academia experiente ou atendimento individualizado

Fato que pais temem que seus filhos não se adaptem a atividade, até com muita razão, mas esse medo deve ceder aos benefícios que o esporte pode oferecer ao desenvolvimento cognitivo, autoestima e motor deles. Entenda que ninguém conhece mais seu filho que você! Ajude os profissionais a como ajudar seu filho(a).

Leia mais em:

https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/autismo/ 

 
 
 

OS MELEFICIOS DA INFORMAÇÃO SELF SERVICE

Nossa! Como fico feliz pela quantidade de pessoas que aderiram a atividade física regular. Ao ver ou participar dos eventos esportivos por aí, no meio do “mar de gente” temos a alegria de fazer parte de tudo isso, mas também nos amedronta a quantidade de meias informações que são disseminadas e replicadas nas mídias sócias e no boca-a-boca.

Vamos conversar sobre algumas:

O NEGÓCIO É TREINAR TODO DIA...

Não confunda treinamento e vício pela atividade. Quem realmente treina com objetivo tem um planejamento bem claro dos eventos que participará bem como das atividades que serão dispostas. No treinamento há acompanhamento profissional e uma sistematização clara do que será feito.

Não sei bem se é treinamento sair de casa sem saber ao certo o que irá fazer naquele dia, tão pouco não é treinamento malhar, correr, nadar, (...) todos os dias (ou intercalados) sem um objetivo claro.... Isso se chama PRÁTICA ESPORTIVA.

Não é treinamento fazer ou copiar o treino de outro; ir para academia fazer o treino que viu no YOUTUBE, acreditar que quanto mais, melhor; não é treinamento não respeitar intensidade, limitações fisiológicas, tempo e descanso...

Fato: O atleta que concentrar seus esforços em fazer uma preparação adequada (observando-se quilometragem, ritmo e repouso individualizados) TEM MAIS CHANCES DE VER SEU RESULTADO MELHORAR COM O PASSAR DO TEMPO. Nada se consegue facilmente, mas com dedicação, perseverança e muita disposição. Fórmulas milagrosas e treinos mágicos estão fora de cogitação quando o assunto é treinamento.

MALHAR AJUDA NA PERFORMANCE...

Sem pensar duas vezes: DEPENDE!

Depende se o seu planejamento de musculação não competir com sua principal atividade. Isso se refere ao respeito das fases que se encontra nos treinamentos. Então ao invés de melhoria de performance você poderá ser surpreendido por uma lesão por fadiga.

Depende MUITO se o grupo trabalhado na musculação não está sendo trabalhado de forma HOMOGÊNEA, ESPECÍFICA E EM SINTONIA. Exemplo: Levantar pneus não o credenciará a fazer uma prova de obstáculos com facilidade sem que haja fortalecimento da região de CORE e melhoria do condicionamento físico. Se isso fosse verdade absoluta bastava correr todo dia uma maratona para ser recordista mundial. Musculação precisa ter foco!

SOU AUTODIDATA...

Se tem algo que admiro é a pessoa que busca por conhecimento. Para o autodidata, “o processo de pesquisa acaba sendo mais valoroso que o próprio resultado, pois ao buscar uma informação, acaba se apropriando de vários outros conhecimentos”.

Essas pessoas carregam dentro de si MUNDOS INTEIROS DE INFORMAÇÃO aprendida vivencialmente ou via estudo, e por mais valorosa que seja esse conhecimento deve vir como sugestão e não como consulta.

Um exemplo bom é QUE TÊNIS DEVEMOS USAR? Cada um tem várias experiências, mas isso não nos credencia a afirmar qual seria melhor para X ou Y. O QUE É BOM PARA VOCÊ DEVE SER SIM SOCIALIZADO, mas não ofertado como conceito. Esse texto também se aplica aos inúmeros seres de boa vontade que mostram como fazem, treinam, mas infelizmente não podem ser responsáveis ou responsabilizados por suas informações se alguém as replica.

Continuem a falar de tudo por favor! Divulguem seus aprendizados! Vocês nos ajudam a errar menos, mas a sugestão que dou ao OUVINTE é selecionar O QUE SERÁ APLICADO.

Dor na canela é canelite! Meias de compressão ajudam na performance; AFUNDO é o melhor exercício para corredores; sem suplementação não há melhorias de performance... A INTERNET ESTÁ CHEIA DESSAS "AFIRMAÇÕES".

Consulte tudo! Leia de tudo, consulte as fontes, mas no final, procure a ajuda do profissional!

NOVO CICLO, NOVA MENTALIDADE ATLÉTICA

O site EU ATLETA traz uma matéria que tem muito a ver com aqueles que gostaram tanto do esporte que começam a levar mais a sério.... Se você é um desses que anda pleiteando novas posições na classificação dê uma lida e se gostar compartilhe.

“(...)

É bem comum as pessoas começarem a correr para reduzir medidas, ganhar condicionamento, fazer novos amigos ou arejar os pensamentos. Na maioria das vezes, a gente meio que começa sem grandes pretensões e aos pouquinhos pode ir ganhando interesse e gosto pelo esporte. E a partir daí, tem corredor que resolve investir e ficar bom nisso, levando a corrida mais a sério, melhorando os tempos e subindo posições na colocação geral das competições. É importante lembrar que estamos falando de um nível amador, de pessoas que trabalham e têm uma vida normal, mas que se dedicam à corrida mais do que a maioria. Atletas profissionais são pagos para treinar, comer, dormir e competir bem, por isso seus tempos são muito mais rápidos do que os melhores amadores das provas comuns, em qualquer distância.

Se você chegou nesse nível de interesse pelo esporte e quer continuar mandando bem nas provas, talvez algo entre quatro e seis dias de treino (dependendo de como é a sua vida fora das pistas) seja uma boa estratégia. Organizar e planejar as semanas e os ciclos de treinamento começa a ser indispensável. Sua velocidade e a resistência vêm da combinação de vários tipos de treinos, como intervalado, longão, subida e regenerativo, por exemplo.​

OBSERVE BEM A ESSES APONTAMENTOS:

  • NÃO ADIANTA ACHAR QUE É SÓ FAZER TREINO FORTE E CORRER MAIS QUILÔMETROS PORQUE NÃO É POR AÍ.

  • Procure se orientar com algum treinador de sua confiança e correr com outros corredores com o mesmo objetivo, tendo o cuidado de não deixar o treino virar uma competição toda hora. Então, se você é desses, esteja preparado para ganhar e perder, nada de desculpinhas no final da prova se não for bem. Cumprimente seus adversários, engula o choro, treine e parta para a próxima prova.

  • OUTRAS VARIÁVEIS IMPORTANTES para o seu sucesso nas provas SÃO A ALIMENTAÇÃO E O DESCANSO. É bem provável que você tenha que se dedicar a elas muito mais do que a média dos corredores comuns e que tenha que, de alguma maneira, suplementar a alimentação. O trabalho de um nutricionista nessa hora é muito importante. E muita atenção com a recuperação! Já dizia o velho ditado: “Descanso também é treino”.

  • FAÇA UMA AVALIAÇÃO HONESTA DA QUANTIDADE DE COISAS QUE FAZ NA SEMANA PARA ACERTAR A QUANTIDADE DE TREINOS QUE VALE A PENA. Um erro aí pode fazer com que você se exercite demais e, progressivamente, produza menos performance em treinos em provas.

 

Leia mais em:

http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/treinos/noticia/2017/03/leva-corrida-serio-e-e-competitivo-saiba-como-ser-um-amador-vencedor.html

LEVA A CORRIDA A SÉRIO E É COMPETITIVO? ENTÃO LEIA!

 
 

Um novo ano está para começar e um novo ciclo de treinos e de projetos se apresentam. Que tal então esse ano fazermos um pouco diferente? Não é preciso mudar tanto, apenas pontuar o que preciso fazer para tentar ter resultados diferentes ou superiores aos deste ano ou iniciar algo que tem, ano a ano, sendo promessa.

  • PONHA NO PAPEL

É comprovado que quanto mais vemos os objetivos traçados, maiores serão as chances de não perdermos o foco. Selecione eventos interessantes, bem organizados, percursos que favoreçam o resultado. ELES SERÃO SEUS ALVOS. Não esqueça de elencar também a participação de eventos SUB ALVO e de equipe, eventos estes onde será permitido errar tentando novas estratégias sem ficar chateado (a) com o resultado.

Esses alvos precisam ter datas e devem ser bem conversadas com seu professor (técnico). Participar de tudo que aparece além de prejudicar na sequência lógica dos treinos aumentam o riscos de micro lesões desnecessárias.

  • MICRO LESÕES DESNECESSÁRIAS?

Sim, lesionar-se treinando é de certa forma “normal”, pois treinar é submeter o corpo a um determinado estresse esperando um resposta fisiológica o habilitando a suportar, cada vez mais, a cargas maiores de stress.

Não tem muita coerência correr uma maratona num fim de semana e uma meia no fim de semana seguinte, mas vemos muito disso revelando um profundo amadorismo de quem realiza tal feito. Salvo situações atípicas como provas de ultramaratona onde o objetivo é vencer o abismo fisiológico da tolerância física e mental.

Planejar te apresentará uma varável chamada REPOUSO e é no repouso que o organismo se habilita a suportar mais cargas e não somente o submetendo a cargas e mais cargas.

  • PROCURE REVER ALGUMAS ATITUTES

É muito comum também vermos pessoas treinar com a regularidade de atletas, mas “pecar” nos pequenos detalhes. Um exemplo é o tempo de descanso ou polimento PRÉ ALVO. Aqui incluo o repouso das atividades associadas como MUSCULAÇÃO, PILATES, NATAÇÃO, LONGÕES, RODAGENS... E que fique claro que LONGÃO E RODAGEM NEM SEMPRE SÃO A MESMA COISA.

Nesse item entram também a CONSCIENCIA do tipo de alimentação, restrições alimentares, escolha das roupas mais adequadas, consumo de alcoólicos, medicamentos, horas de sono, controle de estimulantes... Por falar em estimulantes: “(...) Durante e após esforço físico, observa-se um aumento da atividade simpática, aumentando o risco de arritmias, que pode ser acentuado com a ingestão de bebidas energéticas e álcool, principalmente em indivíduos pré-dispostos para distúrbios cardíacos” (WIKLUND et al., 2009).

Como tem gente que arrisca não é? Energéticos em pequena dosagem antes das provas ajudam (em indivíduos sem predisposição cardíaca) no estado de alerta e no poder de reação (positivo), mas não tem muito sentido como primeira hidratação pós uma prova de ENDURANCE. Não é por que está sendo ofertado que deve ser consumido.

  • NÃO ESQUEÇA A PAISAGEM

Nos planejamentos não esqueça de aproveitar os momentos entre ciclos. Permita-se ser turista e observar os quilômetros passarem. Faz bem a alma e relaxa da tensão de querer sempre resultados.

Bons treinos!

 

TREINAR, SUAR, (...) MAS COM INFORMAÇÕES VERDADEIRAS. OS MALES DA AUTO PRESCRIÇÃO!

Com essa corrente fitness e de modos saudáveis ressurgindo, as manhãs e os fins de tarde passaram a ter a companhia de muitas e muitas pessoas a procura de saúde. Munidas de tênis, bicicletas, patins, (...) logradouros públicos, em especial os que tem melhores infraestruturas, tem sido palco de novas histórias de superação e lutas contra o sedentarismo e a inércia. Tem muita gente SE levando a sério....

Dados do IBGE apontam que “de 1940 a 2015, a esperança de vida no Brasil para ambos os sexos passou de 45,5 anos para 75,5 anos, um aumento de 30 anos”. Sim! Trinta anos! A expectativa de vida do brasileiro hoje é de pouco mais de 75 anos de idade. Gente! Ter 50 anos agora é flor da idade!

Ter 40, 50 anos na década de 80 era ser visto como pessoa fora do mercado, sem energia, declinando na escala de beleza, entrando na senilidade, mas hoje, ter essas idades revela a maturidade e a força da adoção dos novos hábitos (saúde e alimentares), das pesquisas em estética e da medicina e da disseminação da informação.

Sim! Informação.

O antigo “pai dos burros” foi substituído pelo Google; tutoriais do youtube substituíram as visitas técnicas, ninguém mais pesquisa, pelo menos com com frequência, em enciclopédias ou pode alegar desconhecimento sobre avanços e dos benefícios da atividade física sobre o corpo, mas ainda temos muita gente parada esperando o cavalo cor de rosa com bolinhas azuis passar celado.

Estamos na era da velocidade e do convencimento. As pessoas querem respostas precisas e rápidas, não necessariamente a verdade, mas na hora e da forma que as convém. Era do “NÃO SOU OBRIGAD@ A NADA”, sobre a falta de fidelidade ou compromisso com pessoas ou métodos. A era onde “EU SEI DE TUDO E FAÇO O QUE EU QUERO”... A era dos influenciadores de opinião!

Admiro alguns artistas e também pessoas anônimas que conseguem realmente viver uma vida ativa, profissional, e redonda, ou seja, conseguem se manter ATIVOS em meio a direção de pessoas como Abílio Diniz ou Fernanda Keller, PROFISSIONAIS a frente do seu tempo como foi Ayrton Senna e é Ivete Sangalo; REDONDOS... são aqueles que realmente podem falar com propriedade e responsabilidade sobre o assunto.

Fazendo a coisa certa temos mais chances que ela dê certo. Um projeto, uma construção seja de um corpo dos sonhos ou da melhor performance passa pelas mãos de pessoas responsáveis. Sabemos que muitos serviços não são baratos, mas esse é o ganha pão de pessoas que investiram seu tempo e dinheiro para trazer algo bom para seu cliente.

Não vejo como ruim a presença das celebridades (influenciadores) postando suas vidas hipersaudáveis, mas nem tudo é lindo no corpo perfeito e modelado a muita grana em SPAs ou procedimentos cirúrgicos que não são mostrados nos vídeos. As pessoas deveriam saber disso antes de ficar replicando e até se machucando a copiar pessoas que não vivem isso.

Contra a estética eu? Nunca! A estética é uma parceira agradável. Estou na verdade enfatizando que muito que é visto, e invejado, tem méritos dela e não das horas de academia ou do brigadeiro não comido hoje. Sendo isso verdade então pelo amor de Deus para de correr coberto de saco de lixo sob a roupa, ou pedalar de agasalho ou fazer abdominal de cabeça pra baixo... Isso não resolve!

O profissional de educação física não faz mágica! Mas ele tem bons parceiros! Confie mais em quem é profissional! Não replique algo sem saber!

É incrível a quantidade de pessoas nas redes sócias partilhando um pouco de suas vidas e experiências. Muitas delas servem de apoio e até de START para mudanças de comportamentos e atitudes de seus “seguidores”. Assuntos como exercícios físicos, dietas milagrosas, dicas de emagrecimento e vida saudável estão entre as favoritas e mais compartilhadas pelos usuários da rede.

Tudo muito lindo, mas o que tem de verdade nessas postagens? E quando falo de verdades incluo quem pública e de quem lê a matéria. Como assim?

Quem publica uma matéria, seja num simples blog, Instagram, facebook muitas vezes não se sente responsável pelo que publica e pelas consequências de sua “influencia digital” sobre seus seguidores. Isso é preocupante quando quem escreve não tem responsabilidade nenhuma sobre a matéria, alegando muitas vezes que faz uma espécie de “diário pessoal” e não obriga a ninguém a replicar ou seguir.

E A VERDADE DE QUEM LÊ?

É muito belo ver as congratulações do sucesso e vitória das pessoas, como “parabéns”, “quero ser igual a você”, “você me inspira” (...), mas será que “inspira” mesmo? É verdade? O que lhe falta para ser igual?

Claro que ninguém precisa ser ou a viver a vida de ninguém, mas também não podemos DEIXAR DE CULPAR A NÓS MESMOS pelos insucessos e fracassos quanto a iniciar ou se manter em uma atividade regular e busca de um objetivo.

Você consegue também! Vamos?

A modernidade SEM TEMPO E CORAGEM tem nos imobilizado e nos tornado, aos poucos, cada vez mais sedentários e suscetíveis a doenças. Na contramão a procura no “Doutor Google” por verbetes como “perder barriga rápido”, “corra sem sofrimento”, “emagrecimento sem parar de comer” só aumenta... Chega a ser hilário o número de buscas por facilidades se O CAMINHO MAIS CONFIÁVEL ainda passa pelo suor e reeducação alimentar.

Dê uma olhada nos itens abaixo e veja se você se identifica em algum deles:

VERDADES (NÃO FALADAS) SOBRE FORMAS RÁPIDAS DE EMAGRECIMENTO

  1. Não há fórmulas mágicas que façam você ter o corpo desejado que não parta de uma ação concreta;

  2. Pessoas de verdade não tem filtros de Photoshop e não “moram” na academia e tem mais que corpos bonitos;

  3. SHAKES foram feitos para substituir refeições e não TODAS as refeições; Vai passar fome pra viver uma falsa imagem de sadio (a)? 

  4. Cirurgias bariátricas não vão fortalecer sua musculatura. É uma solução viável e muitas vezes a última alternativa, mas carece de outras atitudes pós cirurgicas;

  5. Plásticas, Lipoesculturas, (...) sem tonificação são dinheiro jogado no lixo;

  6. Projetos verões começam no outono anterior;

  7. Emagrecimento sem acompanhamento profissional é como fazer Bungee jumpinng com elástico de amarrar dinheiro.

Perceba que nós não estamos determinando padrões ou estereótipos de beleza, pois cada um se sente belo, saudável e feliz como assim queira. O artigo traz apenas uma puxadinha na orelha de quem busca por emagrecimento, mas realmente não se move com vontade na direção certa.

Vá além da curtida! Mova-se!

Eu acredito.

EMAGRESCIMENTO:

MUITOS BUSCAM, MAS COM QUE VONTADE?

 

É fato que boa parte das pessoas aproveitam o fim de ano para rever uma promessa feita, seja uma mudança de postura ou comportamento, agir diferente em algumas situações, (...), mas não tem promessa mais ouvida que: ANO QUE VEM EU VOU FAZER UMA ATIVIDADE FÍSICA!

Segundo algumas pessoas que conheço “promessas foram feitas para serem QUEBRADAS” e sendo assim verdade talvez nunca saberemos toda a potencialidade que pode surgir de uma pessoa que por anos não conseguiu se mexer mais que uma casa de cupim. Pessoas que não conseguiram transformar toda sua energia potencial em movimento.

As desculpas são as mais variadas, e talvez possam justificar as faltas, mas não conseguem explicar a falta de compromisso ou tão pouco convencer que sua vida seja tão ocupada que não lhe sobre tempo para possa cuidar do seu corpo.

Será que nunca se perguntou o que leva seus vizinhos a acordar 5h da manhã para fazer uma atividade física em pleno domingo? Será que eles seriam “loucos” ou estariam em “crise da meia idade”? Incomoda ver as infinitas postagens nas redes sociais dos locais e distancias por eles percorridas?

Estamos na 49ª semana do ano que tem 52, ou seja, o ano acabou e nenhuma promessa de mudança de rotina foi além de 2 meses. Pois é, essa é a média de tempo que uma pessoa consegue ficar “animada” em uma atividade física que não tenha FOCO, OBJETIVOS e DESAFIOS...

FOCO

"O futuro é um labirinto pra quem

não sabe o que quer"...

Charlie Brown Jr

 

A citação extraída de uma música do grupo de Santos –SP vem em encontro ao nosso pensamento, haja visto o imediatismo dos nossos quereres, ou seja, resultados rápidos, projetos verões, mágicas, plásticas, (...). Nós profissionais sérios da área de atividade física tendo que se redobrar em explanações desnecessárias para se fazer entender e mostrar que aquele exercício da “musa fitness” não é adequado a realidade física do cliente ou que nenhum procedimento estético tem efeitos tão duradouros como a atividade física e regular.

OBJETIVOS

Tem uma frase da escritora Clarice Lispector que diz “PERDI O FOCO, MAS NÃO O OBJETIVO”. A autora da frase traz uma profunda reflexão sobre a verdade de nossa vida cotidiana, que por vezes perdemos o foco (quem nunca?) por alguma situação pontual (excesso de trabalho ou estudo) ou adversidade (lesões, fatalidades,...), mas que se tendo um objetivo em mente, conseguimos retornar ao caminho desejado.

Uma dica: Estabeleça metas e objetivos reais, mas com prazos justos. Essa “justiça” nos prazos deixa claro, para quem aposta em você, que não será fogo de palha e dará ao profissional tempo e tesão para trabalhar nesse projeto

DESAFIOS

Desafios estão intimamente ligados aos prazos e esforço, pois quem não sabe o que quer ou não sabe o quanto tempo irá se empenhar TEM TREMENDA DIFICULDADE em se pôr a prova ou se desafiar. Se fossemos tão dedicados a realizar uma tarefa física quanto nosso cérebro consegue criar uma justificativa seriamos brilhantes.

Chuviscando não vai na academia (será que lá dentro molha?); criam doenças de parentes; o (a) companheiro (a) que “não gosta”...

Eu prefiro sinceramente ver as inúmeras postagens e selfies dos meus alunos que as linhas e linhas de justificativas dos amigos e amigas “tentando” me explicar sobre seus joelhos, tornozelos, dores nas costas, horas de trabalho, chefes que pegam no pé, trânsito (...) que o impedem de mudar a rotina.

Uma citação para terminar: “Se por falta de vontade não consegue fazer sua vida diferente, vá pois, uma hora terá uma tremenda vontade de ir, participar e será seu corpo que não permitirá”

Venha conhecer o prazer que a atividade física pode lhe proporcionar! Desafie-se! Desafie um(a) amigo(a) compartilhando esse texto. Diga: Vamos? Topa? Te aguardo!

DESTA VEZ EU VOU LEVAR A SÉRIO...

MAIS QUE UM PROJETO DE VERÃO

Comente o que achou.

Clique aqui

 
 

DO ASFALTO PARA A TRILHA:

DE FORMA RESPONSÁVEL SEMPRE.

O segundo semestre, do calendário de corridas, geralmente reserva os eventos mais intensos ou diferentes do habitual. As organizações entendem que o praticante, agora não mais tão novato, consiga se desafiar a realizar provas mais exigentes. Encontramos aqui corridas de obstáculos, as meias maratonas mais velozes do ano e também as corridas TRAIL ou “fora de estrada”.

Migrar do asfalto para a trilha requer adaptação, não somente dos treinos, mas também da musculatura que será exigida.

Mas correr não é igual aqui e lá? Sim e Não!

A mecânica é a mesma, mas a musculatura é exigida de forma diferente, haja visto que algumas situações, não comuns no asfalto, são rotineiras nas provas de chão ou trilha.

Quem já participou de corridas de trilha deve ter notado que temos a impressão que o “cérebro não desliga”, ou seja, ele está sempre muito atento, chegando até a se fatigar, de tantos estímulos que recebe a todo momento. Diferentemente no asfalto, a rotina de treinamentos, mais as inúmeras corridas nos fazem relaxar e apenas correr, sendo raro situações diferenciadas como subir batentes ou saltar buracos na rua.

Então percebemos que correr TRAIL não é nenhum bicho de 7 cabeças, mas também não é local para pessoas aventureiras irresponsáveis ou “retados”. Pergunte a quem já participou se é a mesma coisa correr 21km na rua e correr nas trilhas?

FADIGA MENTAL E PSICOLÓGICA

Esse “FICAR LIGADO O TEMPO TODO” é fruto da necessidade das estruturaras neurológicas buscarem a estabilidade, enviando assim diversos estímulos ou comandos (posição, tensão, pressão, tato, reflexo) para articulações, ligamentos e músculos sobre como agir ou reagir rapidamente para a manutenção do equilíbrio sem que ocorram lesões.

BIOMECÂNICA X ALTIMETRIA

A diferença entre correr em aclives e declives nos diferentes pisos é a musculatura envolvida. Devido ao terreno irregular das montanhas, os membros inferiores são mais solicitados – principalmente o quadríceps, nas descidas. A mecânica indicada pelo treinador Iazaldir Feitoza é entrar com o calcanhar ao solo e os braços mais soltos e abertos ao lado do corpo. “Nesse momento, é preciso esquecer a tradicional mecânica de manter os braços em 90°”, completa.

ADVERSIDADES NO PERCURSO

No terreno de montanha há trilhas, areia, terra, gramado, pedras, raízes de árvores, limo e buracos. O atleta precisa estar preparado para imprevistos, chuva e sol forte. Entre os equipamentos essenciais estão o calçado específico, relógio com GPS, reservatório com água(...), além de itens de alimentação como lanches, géis, barras de proteínas e isotônicos.

ACEITE A CAMINHADA

Quem corre com velocidade nas ruas deve entender que andar na montanha pode ser inevitável, pois a variação de ritmo nesse estilo de prova é grande. “Tudo depende do traçado. Algumas competições têm trechos íngremes e que exigem a caminhada. Em outros momentos, o desempenho é melhor”, reforça Fonseca.

Mês que vem em CHAPADA DOS GUIMARÃES temos uma das provas mais belas e organizadas do ano, do CIRCUITO ULTRAMACHO: O DESAFIO SENTAPUA. Não é por menos que se chama desafio, por isso não deixe de ir. Converse com seu professor, adapte sua planilha a essa realidade e.... BORA!!

Leitura interessante: http://www.suacorrida.com.br/treino-finisher/do-asfalto-para-a-montanha/

Comente o que achou.

Clique aqui

Temos um mundo girando sem parar, estações do ano não deixam de acontecer, tão pouco o dia seguinte não deixará de acontecer, mas o grande problema é que o dia tem APENAS 24horas e talvez você ainda não encontrou um “tempinho” pra se organizar e dar aquele start na atividade física, mas como diz um ditado popular que “QUEM NÃO TEM TEMPO SEMPRE ARRUMA UM TEMPO, MAS QUEM TEM, NUNCA TEM”. Entendeu?

Claro que precisamos trabalhar e estudar, temos inúmeros afazeres que competem e tem nossa atenção, no entanto, se não pormos a atividade física na lista das prioridades, logo a saúde cobrará um preço, valor esse pago a remédios e a custo de longos tratamentos. Exagero? Obvio que não!

Segue as dicas que encontrei na rede. É bem direcionado para o publico masculino, mas a falta de tempo não é exclusividade masculina (só na mente do ministro da saúde HUNF)

  • MAPEIE E PLANEJE CADA TREINO

Um plano vai jogar a capacidade de malhar lá pra cima, com horários, prazos e metas. Você deve anotar o valor de treinos de um mês como uma lista de todos os exercícios que você precisa. Faça planos de evoluir para hábitos nocivos à sua saúde, como beber todos os dias. Anote como você se sente depois de cada treino, em horários diferentes, e descubra qual o horário te deixa mais enérgico.

  • MOTIVAÇÃO PARA A MALHAÇÃO

Assim que você começar a malhar, verá que seu cansaço vai diminuir consideravelmente e você se sentirá mais motivado até para o trabalho. Só não deixe que isso te derrube antes de começar!

  • MOTIVAÇÃO É TUDO!

Apesar da rotina, o problema é sempre mais de motivação do que um problema de tempo. Faça um compromisso de se exercitar sobre o dia mais movimentado da semana. Uma vez que você tiver feito isso, torna-se muito mais difícil de convencer a si mesmo (e outros) que você não tem tempo para malhar durante o resto da semana. E fins de semana são críticos.

  • ENVOLVA MAIS PESSOAS!

Obtenha um parceiro envolvido. Pesquisas mostram que ter um exercício em grupo, mesmo que seja apenas como suporte, pode aumentar suas chances de entrar em forma mais rápido do que tentar ir sozinho.

  • DIVIDIR E CONQUISTAR!

Divida seus treinos pela metade, se é mais fácil. Realizando dois treinos menores que somam o seu habitual treino, por exemplo, duas rotinas de 15 minutos em vez de uma sessão de 30 minutos, ainda queima a mesma quantidade de calorias totais, além de temporariamente o seu metabolismo acelerar duas vezes em vez de uma vez, para que o seu corpo queime mais calorias após o treino.

  • PREMIE-SE PELAS PEQUENAS VITÓRIAS!

Muitas vezes, as pessoas já estão fazendo as atividades cotidianas que elevam a frequência cardíaca e/ou trabalham seus músculos, o que pode ser por isso que o seu corpo se sente desmotivado para trabalhar no final do dia. Tudo, desde andar a pé para a estação de trem para transportar o seu filho pelo shopping é exercício, por isso se somam os minutos nos dias em que você está ativamente ocupado, então você pode se sentir menos culpado por se sentir cansado demais para trabalhar para fora no final do dia e ajustar seus treinos de acordo. E sempre, SEMPRE PREMIE-SE POR CADA ESFORÇO QUE VOCÊ DER. Mas não faça isso com comida. Faça isso com visitas ao cinema, passeios, comprando aquele relógio que você sempre quis. Assim, você garante mesmo que seus exercícios vão para o caminho certo.

Bom treino!

Fonte: https://www.belezamasculina.com.br/muito-cansado-apos-trabalho-como-arrumar-tempo-malhar/

Comente o que achou.

Clique aqui

COMO ARRUMAR TEMPO PARA MALHAR? CANSADO?

 
 

O PRAZER ESTRANHO DE CORRER...

Em meio a um momento financeiro instável, onde as famílias, sejam elas tradicionais ou aquelas que têm apenas uma pessoa e um cachorro ou gato, tiveram que se adaptar e cortar gastos, de forma mais clara, tudo que é considerado supérfluo precisou ser repensado – a Academia foi uma dessas.

Mas na contramão dessa economia forçada, no pódio das prioridades, estão as contas a pagar, estudo e a saúde, mas a academia se tornou inviável momentaneamente, restou olhar com outros olhos para aquele povo que passa correndo todo dia na frente das nossas casas ou dando infinitas voltas nos parques, ruas, áreas públicas (...)

Fui marcado por minha namorada numa publicação de facebook que tinha uma resposta plausível para aquela motivação toda:

A resposta, segundo o corredor e biólogo americano Bernd Heinrich, está na natureza. Correr pode parecer supérfluo para a humanidade hoje, depois que domesticamos o cavalo e inventamos a bicicleta e o motor a explosão. Mas durante muito tempo a corrida foi fundamental para a sobrevivência humana, e essa habilidade continua inscrita em nosso código genético. “Somos todos corredores naturais, apesar de boa parte de nós ter se esquecido desse fato”, diz Heinrich, que é professor de biologia na Universidade de Vermont, nos Estados Unidos. Ele sabe do que fala. Em 1981, Heinrich venceu a ultramaratona de Chicago, nos Estados Unidos, em tempo recorde: completou os 100 quilômetros da prova em 6 horas e 38 minutos.

Segundo Heinrich, nossa obsessão por correr é inata. E isso seria fácil de observar. Afinal, não é preciso haver um prêmio para que crianças de qualquer idade se disponham a se alinhar e a disputar uma corrida. “É pelo prazer de correr”, diz ele. Essa disposição, segundo o professor, vem de nosso antepassado caçador. Ou seja, sempre que corremos, para ganhar uma corrida ou simplesmente para fazer exercício, estamos virtualmente de volta às savanas africanas onde nosso código genético foi forjado. “Toda corrida é como uma caçada. Terminar uma maratona, bater um recorde, fazer uma descoberta científica, criar uma grande obra de arte, todas essas tarefas são substitutas da necessidade de exibirmos as ferramentas psicológicas do predador de distância que somos”, afirma o corredor e professor.

“Somos todos corredores naturais, apesar de boa parte de nós ter se esquecido desse fato”

Esse trecho tirado da revista SUPERINTERESSANTE revela ninguém nasceu para ficar parado e que talvez esse nosso DNA inquieto deseje incessantemente o movimento, o mover, o mexer, o buscar, lutar. Se observarmos as pesquisas sobre a pirâmide de Maslow que apontava que uma necessidade superior não se completa sem que uma primária se defina, penso que ter deixado a academia no supérfluo não foi a melhor escolha.

Mover... Necessidade básica e fisiológica. Por isso as espécies mais fortes querem se manter vivos, ativos, úteis... Percebe que isso não é coisa de meia idade? Que está dentro de nós gritando? Por que então ainda só olho o povo correndo e fico no desejo?

Pare de lutar contra o que grita de dentro de você e vem! A paisagem, seu corpo, sua mente e suas relações pessoais vão agradecer!

fonte: http://super.abril.com.br/historia/correndo-como-animais

Comente o que achou.

Clique aqui

 

EDUCATIVOS DE CORRIDA

A partir desse novo “BOOM” das corridas de rua no Brasil muita gente que buscou essa prática, começou de forma empírica e sem sistematização. Buscar por bem estar, saúde, emagrecimento, (...), esse era o foco, mas com o advento dos eventos cada vez mais elaborados, treinos cada vez mais intensos e diários, precisou também acontecer uma revolução nos métodos e práticas.

Já divagamos aqui várias vezes que SEUS OBJETIVOS DETERMINARÃO A SUA PRÁTICA, mas quando falamos de técnica ou economia de energia, conseguimos ver todos os objetivos contemplados. É aqui que entram os educativos de corrida.

Se pretende evoluir ou até mesmo reduzir os riscos de lesão, é imprescindível que sejam incorporados a seu treino. Segundo o professor Marcelo Tavares do site 30tododia.com.br, os principais exercícios educativos para corrida são:

Skiping Alto e Baixo:

Objetivo: correção e amuamento do tamanho da passada; Execução: corrida parada elevando o joelho até a altura do quadril (alto) e elevação de 45º no baixo. Manter os braços em um ângulo de 90º. Obs: A diferença do alto e baixo está no tipo de competição visada pelo atleta. Geralmente o Skiping alto é para provas de velocidade e curtas e o baixo para corredores de longa distância. Porém, nada impede que você execute os dois.

Anfersen:

Objetivo: correção da parte anterior da corrida (perna para trás); Execução: corrida parada ou em deslocamento elevando o calcanhar até os glúteos (não precisa encostar) coordenado com o movimento de braço.

Dribling:

Objetivo: fortalecer e aumentar a mobilidade do tornozelo; Execução: elevar o calcanhar alternadamente sem tirar os pés do chão (parado e em movimento), mais movimento lateral dos braços.

Hopserlauf:

Objetivo: melhorar a postura do quadril; Execução: elevar pernas e braços alternadamente dando um pequeno salto a cada elevação. Pode ser feito parado ou em deslocamento.

"(...) SEUS OBJETIVOS DETERMINARÃO A SUA PRÁTICA"

Kick out:

Objetivo: aumentar a amplitude da passada; Execução: correr jogando os pés alternadamente para frente, como se estivesse chutando. Coordenar o movimento lateral dos braços.

Quando e onde executar os exercícios educativos?

Agora que você já aprendeu a importância dos exercícios educativos e como executar cada um deles, chegou a hora de introduzi-los na sua rotina de treinos.

Mas como fazer isto, em que momento e aonde?

  • Incluir os educativos como complemento do aquecimento nos treinos.

  • Você pode trotar uns 10 min e depois fazer alguns educativos antes do treino principal. Funciona bem tanto para os treinamentos intervalados como para o Fartlek.

  • Você pode fazer os corretivos no meio ou após algum treino leve ou regenerativo. Nesta opção você pode também correr alguns trechos descalço, o que é outro exercício educativo muito bom.

  • Ou você pode executar estes exercícios em um dia que você não vai correr. Por exemplo, no dia que você faz musculação.

Faz o teste e veja os resultados

Bom treino!

 

Fonte: http://www.30tododia.com.br/featured/marcelo-tavares/quais-sao-os-principais-exercicios-educativos-para-corrida/

Que a corrida passou a ser a “válvula de escape’ de muitas pessoas, pelos benefícios ligados a ela, todos já ouviram, mas o foco desse texto é te perguntar: qual é o objetivo da sua corrida? Correr por correr ou tem algum ponto a se alcançar?

Percebe-se, em meio à multidão de praticantes que cresce cada vez mais, um leque de motivos, mas que polarizam no bem estar e na superação. Essa polarização requer que entendamos a diferença entre atividade física e exercício físico:

  • A atividade física é entendida como todo movimento produzido pelos músculos esqueléticos com gasto energético acima dos níveis de repouso. Ou seja, todo movimento que realizamos no dia a dia, como: nadar, lavar o carro, passear com o cachorro, varrer a calçada, brincar, entre outros.

  • Exercícios físicos são considerados como uma sequência sistematizada de movimentos de diferentes segmentos corporais, executados de forma planejada e com um determinado objetivo a ser atingido.

http://www.fabiomedina.com.br/fabio-medina-assessoria-esportiva/170-voce-sabe-a-diferenca-entre-atividade-fisica-e-exercicio-fisico-

Esses objetivos devem estar bem claros quando você resolve colocar a atividade física em sua agenda ou rotina, caso contrario aumentam os riscos de insucessos e desistências. Algumas coisas podem ajudar a conseguir vencer as primeiras semanas da nova rotina

1. NÃO COLOQUE SEU DIA DE ATIVIDADE FÍSICA COMPETINDO COM OUTRAS COISAS QUE GOSTA. Exemplo: Atividade marcada para segundas e quartas feiras sendo que gosta de assistir futebol, e como bem sabe, quarta seu time joga;

2. MOTIVAÇÃO. Quem tem que ter o motivo da ação (motivação) é você e não os outros. É muito comum culparmos nossa falta de compromisso porque o amigo (a) não veio para ir juntos. Claro que juntos é mais fácil, mas isso não pode ser desculpa pra sempre;

3. OBJETIVOS IGUIAS SE ATRAEM. Diferente da física é importante tentar se entrosar com pessoas que tenham objetivos parecidos com você. Loucos por corridas são aqueles que participam de tudo, registram, falam de PACES, testam seus limites, contestam resultados; outros preferem fotografar as placas de cada quilômetro, observar a paisagem, detestam rotinas de treinamento, respiram....

4. ALIMENTE-SE! Seja qual for seu objetivo, não é interessante fazer uma atividade física sem uma alimentação adequada. Então divirta-se sem passar raiva ou dar trabalho para os outros.

5. NÃO SEJA CHATO (A). Muitas vezes grupos de pessoas diferentes não têm conversas FORA DOS MESMOS ASSUNTOS. Já vi muita gente sair frustrada ao tentar participar de assessoria de corredores tentando apresentar seu jeito ZEM e também pessoas hiperativas murcharem em meio aos que querem apenas correr pelo prazer. Vai ficar ali? Entrose-se

6. ESCREVA SUAS METAS. Escrever é algo muito mais eficaz que simplesmente prometer algo. Pregue na porta do guarda roupas, no protetor de tela ou em qualquer outro local que lhe faça lembrar.

7. Pelo menos em um fim de semana por mês, VÁ AOS LONGÕES... ACORDE CEDO.

Essas são dicas que poderão ajuda-lo (a) a cumprir seus objetivos, mas nada adiantará se você não souber onde pretende chegar e o quanto isso é importante para você.

Comente o que achou.

Clique aqui

 

AONDE QUER CHEGAR COM SUA CORRIDA?

TREINAR EM CUIABÁ NO FRIO: RARO, ENTÃO CUIDADO!

Quem não abre mão de praticar atividade física ao ar livre, mesmo com temperaturas baixas, um alerta dos especialistas: é preciso adotar cuidados especiais.

 “Os exercícios deveriam ser praticados em temperatura média de 20 graus. O frio é uma agressão ao corpo. Exercitar-se em marcas inferiores a 14 graus representa risco à saúde. Isso porque ocorre uma vasoconstrição, que faz com que o sangue não chegue suficientemente onde deveria – e o organismo sente muito”, diz o cardiologista e médico do esporte Nabil Ghorayeb, do Sport Check-up do Hospital do Coração (HCor), de São Paulo.

As partes do corpo que mais sofrem com o frio cortante são mãos, pés e cabeça. “Proteja-as para minimizar a perda de calor. Os homens têm tendência a ter mãos mais frias. Já as mulheres costumam sofrem com dores de ouvido. Então, não dispense luvas e gorros ou faixas que cubram as orelhas”, aconselha César Augusto Oliveira, treinador da MPR Assessoria Esportiva, de São Paulo.

Saia de casa agasalhado (com uma calça mais quente em cima do short ou do legging, por exemplo) e só tire o excesso de roupa à medida que for aquecendo o corpo. E use modelos apropriadas.

Opte ainda por peças mais justas e coladas à pele, como leggings e segunda pele, que deixam menos espaço para a passagem de ar, protegendo melhor do frio. Esses cuidados são importantes porque qualquer parte descoberta do corpo perde calor para o ambiente. ”Você demanda maior energia para manter-se aquecido e pode sentir o exercício mais extenuante”, completa Hadlich. “Em temperaturas muito frias, o ideal mesmo seria aquele capuz que cobre até o nariz”, brinca Ghorayeb.

Para quem pula da cama quentinha a fim de encarar o treino gelado, é essencial também iniciar os exercícios de forma leve. O aquecimento deve ser realizado antes de qualquer atividade, porém, no inverno, ele deve ser feito com maior atenção. “No frio a musculatura está mais contraída e tensa. Para atenuar os riscos de lesões, é preciso alongar  levemente o corpo e depois partir para um bom aquecimento, em ritmo mais lento do que o habitual, durante 15 a 20 minutos”, diz o treinador Hadlich.

Segundo os especialistas, o frio pode trazer aquela sensação de que está sobrando ar e seu corpo parece responder melhor, especialmente no início da atividade. Ou seja, a percepção de esforço é menor. Só que isso representa risco. “Pode haver sobrecarga tanto para os músculos quanto para o coração”, observa Ghorayeb.

O clima gelado favorece ainda infecções respiratórias. Para minimizar os problemas, procure realizar a respiração nasal durante a prática esportiva, fazendo com que o ar chegue aquecido aos pulmões.

 

TREINAMENTO E DESCANSO: QUAL A COMBINAÇÃO IDEAL?

Na preparação para uma corrida, treinar e descansar são partes de um mesmo todo. Tanto os corredores experientes quanto os novatos devem estar atentos aos princípios do treinamento esportivo que falam sobre a individualização da carga de treinamento e do repouso e durante o próprio treinamento (pausas).

Há corredores que acreditam que devem treinar muito (além) para obterem boas marcas. No entanto, se não houver o controle da carga e a programação de períodos de recuperação (pausa e repouso), o risco de cometer excessos será prejudicial à saúde do corredor e ao seu desempenho.

Não é difícil se cometer excessos durante a preparação para uma competição. Um treino longo com os amigos que não esteja programado, por mais confortável que seja o ritmo, pode prejudicar uma semana toda de treinos pela. O mesmo é válido para um treino intervalado em que o corredor acaba "embalando" nos desempenhos alheios e o treino passa a ser uma disputa sem sentido. Conclusão: o corredor não consegue cumprir com a programação estipulada (devido a uma intensidade superior às suas possibilidades) e desgasta-se ao extremo, prejudicando seus treinamentos posteriores.

DOSE CERTA DE TREINO E DESCANSO. Se por um lado treinar em excesso é prejudicial, descansar demais é bom? A questão do descanso muitas vezes não é bem compreendida pelos corredores e até por treinadores. Geralmente se dá muita importância aos exercícios físicos, técnicos e táticos, esquecendo-se de que o descanso é parte indissociável do processo de treinamento. O corredor deve encontrar o equilíbrio entre treinamento e descanso. O repouso em demasia, assim como o treino em excesso, não permite a melhora do condicionamento físico.

RECUPERAÇÃO DE CADA TREINO. Veja na TABELA, o tempo de recuperação estimado (de um modo geral) para alguns tipos de treinamento:

O tempo estimado de recuperação de cada tipo de treinamento deve ser observado com rigor, pois significa que o corredor poderá realizar outro treino com as mesmas características somente após esse intervalo de descanso. Realizar dois treinos de características idênticas antes do descanso ideal é prejudicial ao rendimento e à saúde, pois o organismo do corredor ainda não se encontra preparado para uma nova carga de trabalho idêntica.

 

Ao final de seu treino, vencida a barreira do frio, seu corpo estará inundado das substâncias de bem-estar e você terá aquela sensação de dever cumprido com sua saúde. Mas para mantê-la intacta, é importante trocar a roupa suada logo após o término e novamente agasalhar-se. “Se você vestir um casaco por cima da roupa molhada, vai passar frio. Troque a camiseta e então coloque o casaco”, reforça o treinador César Oliveira.

Ele ainda alerta sobre a importância da hidratação antes, durante e depois da atividade física. “A temperatura fria diminui a percepção de sede. Muita gente chega para treinar desidratada e isso não é bom”.

Após o treino, para esquentar, há quem busque o conforto em uma bebida quentinha. “Cuidado apenas com alguns tipos de chás e com o café, que são diuréticos e podem desidratar ainda mais”, diz Oliveira.

Um bom argumento para não desistir do treino no frio é que, pela necessidade de manter a temperatura do corpo nos níveis normais, a atividade metabólica e o gasto calórico corporal aumentam - o que faz com que o corpo gaste mais energia mesmo em repouso.

 

FONTE: http://saude.ig.com.br/bemestar/exercicios+no+frio+exigem+cuidados+especiais/n1597052322705.html

Comente o que achou.

Clique aqui

O organismo se recupera mais rápido de treinos de menor duração e maior intensidade do que em relação aos treinos mais longos e de menor intensidade. No dia seguinte aos treinos fortes (seja em duração ou intensidade), é recomendável realizar treinos leves e regenerativos (trotes na grama e alongamentos, por exemplo), pois isso auxilia no processo de recuperação (descanso ativo). Os trotes na grama não devem ir além dos 25-40 minutos e o ritmo deve ser suave. Os alongamentos, na medida correta (sem forçar os músculos além do seu natural e permanecendo na posição entre 20-30 segundos), servem para "desintoxicar" a musculatura.

Além da observação dos tempos estimados para recuperação, o corredor também deve aprender a "ouvir" o seu corpo entre as sessões de treinos. Assim, se no dia seguinte a uma rodagem de 1 hora em ritmo confortável, o corredor sentir seus músculos doloridos ou uma fadiga não habitual, o ideal é treinar leve ou até mesmo descansar.

O treinamento ideal deve considerar fatores como a idade, o sexo, o estado geral de saúde, nível de condicionamento, tipo de treinamento realizado, disponibilidade para treinar e objetivos. Cada corredor deve elaborar a sua proposta de treinamento conforme os fatores mencionados. Somente assim a combinação ideal entre treinamento e descanso será encontrada e o corredor será beneficiado por uma preparação adequada para a obtenção de marcas cada vez melhores.

 

Texto na integra em: http://revistacontrarelogio.com.br/materia/treinamento-e-descanso-qual-a-combinacao-ideal/

Comente o que achou.

Clique aqui

O QUE TEM PRA HOJE?

As redes sociais possibilitaram a globalização quase que instantânea da informação e com ela a possibilidade de entendimentos superficiais sobre assuntos que deveriam ser mais pontuados. De poder da informação muita gente tem se arriscado a fazer o que quer fazer sem saber se pode ou as consequências dessa prática.

Além desses que “baixam” seus treinos e atividades da internet existem aqueles que são adeptos do PRATO FEITO (PF) ou como prefiro chamar: treino “O QUE TEM PRA HOJE?”. Estes, a meu ver tão perigosos quanto o outro, que sem nenhuma ideia de periodização ou especificidade de treinamento fazem treinos aleatórios ou soltos, pouco se preocupando nas repercussões fisiológicas pós estresse.

Vemos esse perfil “O QUE TEM PRA HOJEnas academias quando o aluno alega “não precisar” do professor e fazer o treino do (a) amigo (a); nas corridinhas do fim de tarde, que mesmo quase morrendo faz um treino extremamente extenuante para não ficar pra trás; no crossfit, confundindo treino funcional com CIRC DE SOLEIL, plantando bananeiras, abdominais tipo ROCKY BALBOA...

Treinos copiados da internet não farão por você o que o mesmo treino fará se tiver acompanhamento profissional, pois dificilmente um bom profissional permitirá que você faça exageros ou vá além do que você precisa. Isso se chama de responsabilidade.

Quais seriam então as motivações mais claras que levam essas pessoas a se arriscar? Respostas visíveis de imediato. O site EU ATLETA aponta alguns erros comuns que, ao lê-los talvez conheça alguém assim:

 

CORRER MAIS DO QUE O ESTIPULADO NA PLANILHA

Correr alguns quilômetros a mais no final do seu treino pode ser um daqueles atalhos que te levam a um beco sem saída. O excesso de corrida acaba gerando um efeito contrário ao esperado. Uma planilha bem estruturada obedece a uma série de variáveis, importantes para a sua evolução. Se você passa do ponto, sua recuperação pode ficar comprometida. E aí você fica mais cansado, aumentando os riscos de se machucar ou ficar doente.

 

E O VERÃO CHEGOU... E AGORA?

Todo esforço de um ano se resume nesses três meses que vão de dezembro a fevereiro, período este onde o foco se desloca para a saúde, estética e cumprimento de promessas de fim de ano. E o que você objetivou? Quais os desejos ou promessas que terá que cumprir?

Encontramos na internet as mais diversas dietas do verão; os mágicos sucos DETOX, programas de treinamento, planilhas montadas, promoções de academias, “semana grátis”... Tudo faz lembrar as promessas de bem estar que falamos dia 31 de dezembro. Então é hora de por no papel.

Poderia sugerir algumas regras de bom viver com suas promessas, mas vai depender o quanto esse seu projeto é realmente sério, maduro e decidido, pois até mesmo os profissionais sérios no mercado, só te levarão a sério e imagem deles se ver que você realmente esta disposto a não perder seu tempo.

Vamos lá:

  • Atividade física sem reeducação alimentar é como cortar cabelo, pode até existir, mas uma hora você vai precisar novamente;

  • Fazer exercícios (especialmente os sedentários) sem conversar com seu médico é um risco duplo: para você e o profissional que o acompanha na academia, na rua, pedalando, nadando(...);

  • Ao invés de gastar com “modelitos” para ser notado (a) que tal investir sério em profissionais sérios do mercado. Esses profissionais não necessariamente estão onde as luzes e holofotes estão, portanto não necessariamente a academia do shopping é a melhor por ser mais aparelhada;

  • Tenha certo o que você realmente precisa. Pare de calcular o IMC e se olhe no espelho. Magreza demais retira as características de escultura que nos deixam mais afeiçoados. Não é um calculo de altura e peso que dirão que você esta bonito(a) ou não;

USAR SUPLEMENTAÇÃO SEM ORIENTAÇÃO

A cada dia que passa, mais e mais produtos aparecem nas prateleiras das lojas. Há opções para todo tipo de esporte e treinamento. O problema é que muita gente encara esses produtos como verdadeiros compostos milagrosos e se esquecem de que eles servem para suprir algo que está em falta. Ou seja, não adianta comprar o que há de mais moderno e completo no mercado se, antes, você não melhorar a sua dieta. Quem faz uso de suplementos sem orientação e de forma exagerada pode começar a engordar, ter distúrbios intestinais e até sofrer com a falta de alguma substância essencial para o corpo.

USAR ANTI-INFLAMATÓRIO, SEM ORIENTAÇÃO, PARA CONSEGUIR TREINAR

Ao aliviar a dor de uma lesão, os remédios podem passar uma falsa sensação de recuperação acelerada. Ao ingeri-los sem orientação, você mascara os incômodos e passa a correr com um problema mais grave, sem perceber. Assim, algo fácil de resolver em dias pode se transformar em semanas de molho.

Conhece alguém? Envie / compartilhe esse artigo pra ela...

 

Leia mais em: http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/treinos/noticia/2015/10/os-tres-erros-comuns-dos-corredores-voce-comete-algum-deles-saiba-mais.html

Comente o que achou.

Clique aqui

 

  • A grande sacada de um bom projeto verão é que ele não deve acabar na quarta feira de cinzas e sim ser o inicio de uma cultura nova e que lhe ofereça anos a sua vida. Esse processo de internalização de cultura só dará resultado se ele realmente alcançar as demais estações do ano;

  • Não existe pó mágico em nenhum dos SHAKES do mercado, existe sim foco e suor de suas ações. Eles só ajudarão a concluir.

  • Nenhum aplicativo de celular vai corrigir sua postura ou dizer que esta fazendo errado, portanto, como diria os fãs de STAR WARS, use bem a FORÇA JEDY. Eles são parceiros importantíssimos

Como deve ter percebido, as orientações são bem claras e tem um foco: que isso só dará resultado e frutos futuros se houver determinação e descrição de metas bem claras e realistas.

E agora? VAMOS? GO!

Comente o que achou.

Clique aqui

Esse artigo contou com apoio dessa equipe.

ZONAS DE CONFORTO...

O título do artigo está propositalmente no plural, pois as definições e conceitos sobre o que seja ZONA DE CONFORTO já temos ou pelo menos já ouvimos falar, mas ao sairmos de uma zona de conforto podemos simplesmente nos acomodar em outra.

A zona de conforto pode ser entendida como uma série de “comportamentos que adotamos por costume. Encontra-se na zona de conforto quem está perfeitamente acomodado à sua rotina, quem não se arrisca e aceita as coisas como elas estão”.

Segundo especialistas a fronteira da zona de conforto é mantida por uma barreira psicológica que nos impede de encarar desafios, novas situações e pensamentos que poderiam (ou não) mudar a nossa qualidade de vida. Enfrentar essa barreira requer maturidade e objetivos claros para que o enfrentamento não se transforme em um eterno CARPE DIEN.

Passado um ciclo de mudanças, temos a tendência a um novo momento de acomodação. Uma dieta bem realizada, a redução do peso, a implementação de uma rotina saudável também não podem subsistir se aquilo que lhe tornou mais vivo (a), ativo (a) e feliz passar a ser também uma bola de ferro.

Pergunte se:

1 - Você está satisfeito?

2 - Há espaço para melhorias?

3 - Vem à sua mente alguma coisa que você não faz, mas gostaria de fazer?

Quem é atleta (profissional ou amador) deve com certa constância procurar os limites da sua zona de conforto. Um recorde não dura pra sempre; um driblador não consegue fugir ao mais tenaz e dedicado marcador; distancias superadas merecem novos desafios ou expectativas diferentes.

 

Fim de ano temos tantas promessas sendo feitas que tal por alguma (ou algumas) pitadas de novidade em suas vidas? Que tal uma viagem ou um passeio de aventura em família? Matricular-se numa escola de dança ou por um quimono e fazer judô? Hospedar-se num hostel para conhecer culturas e pessoas diferentes; uma viagem internacional ou intercâmbio para aprender uma nova língua, se arriscar a não entender nada... e se divertir com isso... Para quem só corre, que tal uma aventura fora de estrada? Quem pedala, participar de uma corrida e ver o asfalto sobre outra ótica; quem nada, enfrentar uma travessia, um triatlo, levantar uns pneus...

Férias oportunizam isso. Sem MI MI MI

 

PS. Esse comigo na foto é meu filho Augusto (10 anos)

 

Dica de leitura: https://atitude.com/como-sair-da-zona-de-conforto/

Comente o que achou.

Clique aqui

Sim! É verdade: O que é bonito pra mim talvez não seja para ele! Não desmentirei esse fato mas apresentar um contraponto a se refletir, ok?

O que é necessariamente um corpo bem feito? Qual seria a sua imagem de corpo ou treinamento ideal? Essas perguntas deveriam ser feitas a muitos praticantes das academias, seja na musculação, aulas de crossfit, ginástica (...), pois é evidente que muitos parecem distorcer (ou desconhecer), a nossos, olhos o que seria mais recomendado.

Claro que cada indivíduo um tem seu gosto (somos racionais) e é a busca pela singularidade (ser único, diferente) que se busca também a incrementos de outros elementos como piercings, tatuagens... Nesse sentido, o corpo perfeito é também um incremento.

Essa imagem nossa não é algo palpável para os outros ,pois está contido nas referencias de cada mente, parametrizados por conceitos, valores, modismos que acatamos como verdade, que refletirá positivamente ou não na autoestima. Alcançar a imagem ideal pode ser uma busca sadia ou uma prisão sem grades.

Desde que o YouTube e o Google conseguiram substituir os profissionais das academias visto que muito do que é feito nelas não advém da orientação profissional presencial e sim da réplica de movimentos e exercícios vistos ou sugeridos na rede. Esses exercícios ficam ainda mais “poderosos” se alguma estrela ou “celebridade” falar ou mostrar que faz. Temos então um fato sem volta: a “MALHAÇÃO VIRAL” tomou conta das academias.

 

“SABIRILAS E PANICATS”: MUSCULAÇÃO TEM UM MEIO TERMO

APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA... E VOCÊ?

Um fato:

Em média, cada vez estamos vivendo mais tempo. A expectativa de vida de nossos bisavôs era bem menor que as nossas e provavelmente a de nossos filhos irá superar as nossas, mas esse ganho de tempo talvez não esteja sendo aproveitado como se deveria.

Segundo dados de uma pesquisa feita pelo Ministério do Esporte (2015) temos:

  1.  45,9% dos brasileiros não praticaram nenhuma atividade física durante o ano de 2013. Esse número sobe para mais de 50% quando consideradas apenas as mulheres, e cai para 41% quando considerados apenas homens.

  2. Os números de sedentários aumentam a medida que a população envelhece. Na faixa até 19 anos, 32% dos entrevistados disseram não praticar nenhum esporte. Esse número chega a quase 65% quando questionados os brasileiros entre 65 e 74 anos de idade.

Esse ganho de tempo veio por meio da melhoria da medicina preventiva, da disseminação e uso da informação e da consciência das pessoas a sobre qualidade de vida que desejam ter. No entanto percebe-se nos dados do ministério, que uma população jovem (32%), hoje online, parece andar na contramão da saúde.

Percebemos que muitos clubes atléticos não conseguiram se manter (ou seria sobreviver) ao sumiço dos jovens. Claro que no inicio dos anos 2000 houve uma corrida pelo aprendizado, pela qualificação, por trabalho, (...) essa concorrência no mercado acabou servido de justificativa para que muitos jovens que hoje estão entre 20 a 30 anos a abandonar as práticas desportivas, mas não pode servir de justificativa para continuar parado.

Os clubes também pararam no tempo. Hoje sobrevivem de festas, eventos e day-use. Infraestruturas estão às moscas esperando ser usadas.

Levantam-se prédios e condomínios cada vez mais seguros; pistas de caminhadas, piscinas, academias nos projetos de área comum, mas mesmo assim não tem motivado as pessoas a deixar o sedentarismo. Algo tem que ser desculpa para retirar esse corpo da inércia... Humm o culpado é o Isaac Newton!

 

INVISTA EM SAÚDE

Quando pontuamos sobre o assunto ou buscamos referencias na internet sobre investimento em saúde deparamos com várias temáticas interessantes, mas em sua maioria ligadas realmente a forma que as empresas devem fazê-lo em relação aos seus funcionários, mas não é esse nosso foco...

Continuamos as buscas e mais referencias surgem e nelas, ótimas propagandas de planos de saúde ou seguros de vida. Será mesmo que ao buscar INVESTIMENTO em saúde estamos falando somente de gastar ou economizar dinheiro?

Perceba: segundo um dicionário informal da web temos o conceito que INVESTIR seria “(...) Dar um cargo ou uma função a alguém. SE ENTREGAR A UM PROJETO ou relação. Ter posse de alguma coisa”.

Talvez seja isso que, muitas vezes tardiamente, nós fazemos quanto a qualidade de nossa saúde: ENCARRAR COMO UM PROJETO.... DE VIDA!

Claro que só se vive uma vez, que o tempo passa depressa, que decisões tomadas muitas vezes não podem ser corrigidas ou mudadas, mas a sua próxima decisão pode depender, só e somente só (como diriam os matemáticos) de VOCÊ!

O que e o quanto comer, a qualidade do seu sono, as escolhas de amizades e relacionamentos e a rotina nos seus momentos livres não dependem do trânsito, clima, temperatura, da sorte, das ocasionalidades... Deixar tudo por conta do acaso é torcer que a roleta acerte um número em meio a outros 99. Sim! Sua vida depende mais das suas decisões (ou ausências delas) que da sorte.

Trabalhamos demais para manter nossos padrões de vida e conforto, mas muito do que trabalhamos vai além do necessário para ocupar o tempo ou os vazios que nós mesmos construímos. Esses vazios são preenchidos de inércia e preguiça, e estas depois de instaladas, precisarão de muito mais força de vontade para deixarmos nossa zona de conforto.

 

ACADEMIAS: NADA SUBSTITUI O PROFESSOR (NEM O YOUTUBE)

Copiar o treino do amigo, ficar o dia inteiro na academia para compensar o fim de semana e não se alimentar corretamente antes do exercício. Esses são alguns dos erros mais comuns entre os alunos. Fique mais atento às dicas para aproveitar a sua atividade física do melhor jeito possível.

Confira os erros mais comuns na academia e experimente treinar de forma saudável:

  • Iniciar a atividade física sem orientação médica

É o médico quem vai falar e diagnosticar se você tem problema de pressão ou diabetes, por exemplo. Você vai poder treinar, sim, mas tem que estar bem orientado caso seja preciso.

  • Não avisar que é um aluno novo na academia

Numa aula coletiva, o professor de educação física vai adaptar o treino para que você se exercite com intensidades mais baixas e em outras posições. As pessoas são diferentes e possuem uma necessidade e um biotipo. Ao montar o treino ou série, o professor está pensando em você e vai te direcionar para conseguir bons resultados e evoluir.

  • Não procurar a ajuda de um nutricionista

O profissional da área de nutrição é quem vai te direcionar para a sua necessidade, seja ela de emagrecimento ou ganho de massa muscular, e montar um planejamento alimentar adequado a você. Não se deve copiar a dieta de alguém e treinar em jejum ou mal alimentado para queimar mais calorias.

  • Compensar a falta de treino em um só dia

O grande segredo para evoluir nos treinos aeróbicos ou de musculação é a regularidade. Treinar apenas 20 minutos por dia é melhor do que chegar no sábado e ficar várias horas na academia. Lembre-se sempre: menos é mais.

O incremento de autoestima chamado “corpo perfeito” precisa ser pontuado em algumas coisas:

  1. Já há muitos anos ficou evidenciado que altura e peso não são relacionados para culturas com muitas misturas raciais como nós brasileiros, portanto, quem falou que o IDEAL é ter 75 Kg para pessoas com 1,75m?

  2. Percentuais de Gordura são dados importantes e não doutrinadores de referência de corpos perfeitos. Vejo pessoas se “matando” por dobras que não existem ou que são essenciais para a fisiologia.

  3. O equilíbrio muscular tem relações com a postura, caminhada e atividades da vida diária, portanto qual é o problema dos rapazes em fazer exercícios para as pernas? O termo SABIRILA vem de um ser imaginário que anda pelas academias que tem PERNA DE SABIÁ e CORPO DE GORILA. Entendeu?

  4. O corpo IDEAL PANICAT denota uma imagem interessante, mas que muitas vezes vem de outros incrementos conjugados ao físico (estético, cirúrgico e financeiro). Que tal substituir esse perfil por algo como foco GSS (Gostosa, Sarada e Saudável)?

Cada um na sua VIBE! Essa é a tônica das academias, mas ninguém é “SÓ MÚSCULOS”. A orientação presencial não pode ser substituída pelos vídeos, desde que os profissionais também ganhem um incremento chamado ARGUMENTO para chegar aos clientes apresentando belas propostas e não treinos “COPIA-COLA 3 SÉRIES DE 10”.

Comente o que achou.

Clique aqui

O criador do teste de COOPER resolveu andar ao invés de correr 12 minutos (realmente é muito mais seguro para os iniciantes); pessoas têm levantado até pneu de trator ou balançado cordas de atracar navios ou se aventurado em aulas RIT pelo Youtube, mas mesmo assim não conseguimos tirar você do sofá!

Surge a oportunidade e somente com um “zilhão” de insistências recebemos um “talvez eu vá” que na maioria das vezes virá uma resposta no whatsapp dizendo “desculpa gente, pintou um imprevisto, não poderei ir”.

Sabemos que muito disso é verdade, mas que uma grande parte é desculpa. Não conseguir sair do sofá, o cansaço do trabalho, ter medo dos comentários sobre a silhueta, quanto a roupa, o cabelo, (...); como diria um professor (Valdecarlos): “muito MIMIMI”. Sedentarismo não se enfrenta com teorias!

PONHA AR EM SUA HISTÓRIA E ELEVE NOSSA MÉDIA DE EXPECTATIVA DE VIDA. Não importa o que, mas faça algo! Mova-se

Comente o que achou.

Clique aqui

Ver a foto de pessoas correndo, pedalando, nadando (...) nas redes sociais revelam que pelo menos em algumas pessoas a inércia não consegue ter uma “vida fácil” pra se instalar. Movendo-se, segundo a banda Rolling Stones, a rocha não cria limo, a vida mantem os músculos fortes e mais tempo nos manteremos longe de doenças e remédios.

Então temos uma grande verdade ao perceber tantas buscas desembocarem para relações de patrão e empregado quando falamos de investimento em saúde: QUEM É O PATRÃO DA SUA VIDA? QUEM DEVE CUIDAR DE VOCÊ PARA TER MAIS QUALIDADE DE VIDA?

Faça algo HOJE por você! Nade, Pedale, Corra, Ande, Engatinhe, mas faça algo! A vida pode te devolver vida se investir o quanto antes nela.

Comente o que achou.

Clique aqui

  • Respeite os limites do seu corpo

Não dar atenção ao cansaço e às dores é outro erro que acontece muito na academia. Às vezes, a intensidade da atividade física está alta e o aluno precisa parar, mas acaba indo em frente e se machuca. O risco é o de agravar uma lesão pré-existente e ter que passar por fisioterapia ou parar de treinar. Fique atento!

  • Jamais copie o treino do amigo mais experiente

O aluno não pode começar um treino colocando a mesma carga que a do amigo que malha há mais tempo. Você precisa entender o seu corpo e aguardar as adaptações fisiológicas que vão acontecer com o passar dos meses. Seguir a série corretamente vai te dar um ganho de força e exagerar nas cargas pode gerar lesões e frustrações. Siga sempre a orientação dos professores

Tem coisas que vemos sempre, mas não paramos para refletir. Encontrei esse artigo interessante e muito válido de replicá-lo.

Você poderá lê-lo em

http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/treinos/noticia/2015/09/copiar-o-amigo-treinar-demais-malhar-em-jejum-maiores-erros-na-academia.html

ENCURTAMENTO MUSCULAR, LESÕES E RENDIMENTO.

Muitos atletas, em especial os amadores, dão muita importância a sua atividade física, seja ela correr, pedalar, nadar, lutar, (...) focando no gesto atlético ou no fortalecimento feito em horas de musculação, mas esquecem de também de por sua atenção na amplitude do movimento.

Já percebeu quantas passadas ou braçadas são necessárias para cumprir uma determinada distancia? É sabido que pernas curtas carecem de mais passadas, certo?

A biomecânica deixa clara a vantagem que USAIN BOLT tem sobre os demais competidores quando transforma uma desvantagem (centro de gravidade muito alto) em menor número de passadas ao percorrer uma mesma distancia com menos dispêndio de energia. Isso serve apenas para ele? Não!

Se atletas bem treinados sofrem desvantagem imagine os que possuem musculatura encurtada?

Segundo Kisner e Colby (2005) o ENCURTAMENTO MUSCULAR “consiste na diminuição do comprimento das fibras musculares ou tendíneas devido à falta de atividade física e/ou permanecer em uma mesma postura por tempo bastante prolongado. Portanto encurtamentos podem levar à diminuição da flexibilidade que aumenta o risco de lesões e dificulta a realização das atividades de vida diária, provoca dor, diminui força muscular, velocidade e coordenação motora”.

Entre as linhas de pensamento que se digladiam na importância ou não de se alongar ou quando deve se alongar estão as pessoas, os praticantes, os clientes. Existe já a cultura que temos pouco tempo de aula, que esfria a motivação, que já “chegaram aquecidos”... É complicado acreditar numa frequência longa de bons resultados (ou expressivos) em pessoas que não conseguem nem mesmo tocar na ponta dos pés.

 

VÍCIO SIM! MAS SEM LOUCURAS.

Comente o que achou.

Clique aqui

Fica evidente que pouco se da importância aos exercícios de flexibilidade e de amplitude nos exercícios, pois ainda percebemos corredores e ciclistas que insistem em não “perder” tempo com alongamentos e praticantes de academia realizando exercícios pela metade, dando preferencia a carga a amplitude. Por exemplo, o cotovelo tem amplitude articular entre 0-145° (Marques, 2003; Palmer & Apler, 2000) e 0-140°/150° (Magee, 2002), mas porque o praticante evita os primeiros 30 graus? Roubada? Não! Falta de consciência e conhecimento.

“Roubar” os primeiros graus torna o exercício mais fácil e com a possibilidade de poder por mais carga. Assim funciona para quadríceps, isquiotibiais, tríceps, (...). A insistência em trabalhar pouca amplitude além de perca de força nos movimentos mais amplos poderá acarretar em encurtamentos musculares difíceis de tratar que no futuro se transformarão em lesões repetitivas.

PILATES é um grande aliado do atleta com encurtamentos, mas ele (PILATES) não resolverá se seus hábitos e consciência não mudarem urgentemente.

Enquanto os especialistas decidem sobre o alongamento, alongue.

Comente o que achou.

Clique aqui

Todos sabem, e aqui diversas vezes abordado, que a atividade física traz benefícios fisiológicos e psicológicos (reduzir a ansiedade e a descarregar as tensões). Ele é uma das formas mais eficientes para trazer o individuo de volta “ao centro”, no entanto se feito de forma assoberbada (ou descontrolada) pode levar ao próprio organismo não conseguir defender-se de si mesmo, sendo comum nesses casos vermos redução das defesas imunológicas, fraturas de estresse, irritabilidade, envelhecimento precoce e cansaço.

A atividade física nos bombardeia com diversos hormônios e neurotransmissores que põe nitroglicerina nas nossas ações. Essa presença “bombada” do cortisol, adrenalina e a noradrenalina, serotonina, (...) endorfinas em geral potencializam nossas respostas ao perigo e a responder as situações do dia a dia, mas em exagero, como dissemos anteriormente, podem agir de forma antagonista a proposta.

É percebido em atletas maratonistas, triatletas, praticantes de atividades físicas intensas ou com frequência superior a cinco treinos semanais, elevado número de episódios de gripes e resfriados, não associados a temperaturas baixas, altas umidades ou endemias sazonais. Esses episódios abriram um alerta a pensar como, na teoria, um corpo sadio e fisicamente treinado poderia estar tão sujeito a doenças simples ligadas a fragilidades imunológicas.

Um grande problema que está associado é a própria vontade da pessoa, ou seja, não querer perceber e nem ouvir que isso existe e é real. O “vício” pela adrenalina e pelas descargas de endorfinas cegam e ensurdecem os mais crônicos. Estes (as) não percebem o envelhecimento precoce por justificar terem uma alimentação rica em antioxidantes; não percebem a irritabilidade e a pouca tolerância por justificar o uso de suplementos ou “ser assim”. Essas pessoas o risco é maior.

 

SOU INICIANTE EM CORRIDA: DICAS PARA GANHAR “GÁS”

Muitos dos que iniciam nas corridas (e aqueles que sempre justificaram para não começar), alegam que lhe faltam “gás” para superar as distancias; alguns relatam que ao perceber a distancia a ser superada já “cansavam”. Pernas não obedecem, a respiração não ajudava, dores surgiam então restava parar e caminhar.

Acredite! Você não deve ser o único a pensar isso!

Além de encontrar coragem todos os dias para treinar sugerimos que alguns passos sejam seguidos ( ótimo trocadilho – "passos") para se conseguir superar essa mística sobre a corrida. Se sua VIBE é nadar ou pedalar pode adaptar esses passos para ir mais longe

Assim como um inicio de relacionamento, a frequência com que se veem é o inicio de tudo, então CORRA REGULARMENTE. A constância o (a) ajudará a superar pouco a pouco esse receio. Pare de justificar com fatores meteorológicos, cansaço ou falta de tênis adequado. Nesse primeiro instante a condição física aeróbia (nas academias se popularizou como nome de CARDIO) deve ser sua prioridade.

Quem disse que precisa ser veloz? Existem planilhas na internet que deixam bem claro que a corrida pode começar ou ser intercalada com momentos de caminhada. O grande problema de nossa modernidade é que queremos resultados imediatos, então, QUANDO CANSAR, CAMINHE, MAS EVITE PARAR POR QUALQUER COISA.

Um grande corredor disseminou sua forma de treinar que se popularizou pelo mundo – o FARTLEK. Nesse método seu desenvolvedor deixava clara a importância de seguir o treino, mas que ele poderia sofrer adaptações conforme o sentimento daquele instante do atleta, ou seja, CASO ESTEJA BEM, EMPOLGUE-SE, ESQUEÇA A DISTANCIA E VÁ!

Um princípio fisiológico diz que se eu aumentar a frequência respiratória por consequência terei um acréscimo da frequência cardíaca. Como por vezes treinamos por faixas cardíacas (120 a 140 ou 140 a 160 bpm) se induzirmos voluntariamente a respiração inevitavelmente “pularemos” a nossa zona alvo. Percebeu que TORNAR A RESPIRAÇÃO ALGO MAIS AUTOMÁTICO é importante?

 

ALONGAMENTO: LEVE A SÉRIO ESSE MOMENTO

Quando finalmente a rotina da atividade física começa a tomar conta do dia a dia de uma pessoa, bate-se a necessidade e a vontade de não se perder nada. Faça chuva ou faça sol colocamos nosso corpo no automático e lá vamos nós para nossa descarga de serotonina diária.

No treinamento buscamos potencializar algumas valências físicas, ou seja qualidades motoras, que podem ser gerais ou bem específicas dependendo da atividade proposta. As valências mais comuns são Força, Resistência, Velocidade, Agilidade, Coordenação, Flexibilidade e Equilíbrio. Independentemente da que irá ser trabalhada deve iniciar e terminar com a preparação da fibra muscular – o alongamento.

Engraçado que algumas linhas da atividade física relutam contra o alongamento. Já ouvi coisas do tipo: “é perca de tempo da aula”, “façam antes da aula”, “diminuiu o ganho visível da hipertrofia”, “fim do dia não precisa alongar”, (...). Eu só queria que me provassem isso tudo com base científica.

Um princípio da mecânica diz “a força aplicada em pontos de extremidade da alavanca é proporcional à relação do comprimento do braço de alavanca medido entre o fulcro e o ponto da aplicação da força aplicada em cada extremidade da alavanca”, isso de forma mais clara sugere que braços de força mais longos tendem a gerar mais força no braço de resistência, então músculos mais alongados, tendem a executar maiores amplitudes de movimento, assim criam potencialmente, a capacidade aumentada de gerar força.

 

CRIANÇAS, ATIVIDADE FÍSICA E DESEMPENHO: BRINCAR NAS FÉRIAS TAMBÉM É IMPORTANTE.

PATINS
PATINS
press to zoom
BRINCAR
BRINCAR
press to zoom
PEDALAR
PEDALAR
press to zoom
ESCAPAR
ESCAPAR
press to zoom
AVENTURA
AVENTURA
press to zoom
FELIZ
FELIZ
press to zoom

Qual seriam os motivos ou benefícios em se levar (ou inscrever-se) as crianças numa atividade física ou numa modalidade desportiva? Não estranhe tantos nomes diferentes, pois atividade é bem diferente de uma modalidade; levar e inscrever-se também.

Uma atividade física só precisa de um espaço e de animação. Deixar os filhos brincar na rua, no condomínio ou em uma praça próxima podem ser caracterizados como atividade física. Não é preciso ter mais nada além disso e talvez por isso seja além de saudável, seja tão divertido.

Uma modalidade desportiva já é diferente. Geralmente tem alguém conduzindo, possuem regras, outras pessoas e objetivos bem claros. Fazer um gol (ou uma cesta), passar entre cones, dominar uma bola, nadar tantos metros, (...) e já que tem metas, temos as distinções naturais de habilidade, idade, turmas e desempenho.

Pergunte se antes de fazer a matricula: Seu filho vai nadar ou fazer natação?

 

Atletas amadores quando altamente “apegados” a serotonina ao se lesionam, tendem a quase “pirar” sendo um dos motivos observados da antecipação do retorno as atividades, dessa forma, sem o devido tempo de tratamento, temos como consequências esperadas a queda na qualidade dos resultados.

Acredito que antes de terminar esse artigo, alguns já disseram pra si mesmo “isso não é pra mim”.

A atividade física é maravilhosa e contagiante, mas precisa obedecer a situações e limites. Por exemplo, é recomendado que se participe de no máximo 3 maratonas por ano, não pela prova, mas pelo tempo em treinos extenuantes para poder completa-la. Mas cada um procura o que melhor justifica suas ações.

Obs.: O site SAUDEASERIO.NET observa sempre o ponto do meio, respeita as loucuras, mas tem que sempre pontuar pelo que comprovadamente é mais seguro.

Comente o que achou.

Clique aqui

Diferente do namoro convencional, o seu com a corrida não precisa de fidelidade no começo :P.

Comece fazendo suas corridas duas vezes por semana e INTERCALANDO COM OUTRAS MODALIDADES ou ações (nadar, pedalar, dançar, lutar, malhar) para que o corpo perceba que a atividade física é uma coisa que faz parte de sua vida. É difícil ser fiel a corrida se começar apenas pela empolgação.

Sempre percebi que o personagem ROCKY BALBOA em seus filmes colocava fotos do que era importante e o que queria alcançar. Pode parece bobagem, mas TER UMA META OU ALGO PRA TE LEMBRAR pode ser mais motivante que um colega lhe acordando cedo ou te acompanhando. Conheço pessoas que criaram rashtags, projetos de verão, fotos de praias, “medidas certa”, cartazes de maratonas... Ponha no papel seu projeto!

Por fim, NÃO COMBINA O INICIO DE UMA NOVA VIDA COM VÍCIOS ANTIGOS, ok? Reduza os alcoólicos e o tabaco (esse, se puder, exclua de sua vida); reveja sua alimentação, evite tantas noites perdidas. Crie a cultura do sorriso e da felicidade como foco de sua rotina. Ponha mais vida em sua vida e NÃO ESPERE PELA SEGUNDA FEIRA.

Comente o que achou.

Clique aqui

Se cabo de aços, ao serem tensionados no limite de suas forças, rompem quiçá musculaturas mal preparadas. O atleta amador (profissionais levam a sério o alongamento – pelo menos deveriam!) precisa entender seu corpo e saber que seus limites podem variar por causa da genética, nível de treinamento, sexo e idade, entre outros. Mais que “perca de tempo”, alongar é realmente necessário não somente na prevenção de lesões, mas no ganho potencial da valência sendo trabalhada.

Antes de uma atividade física mais rigorosa é importante reservar um tempo (cerca de 30 minutos) para levar a musculatura a uma situação de estado de uso. Para tentar lhe convencer que tal observar a atitude dos jogadores profissionais de futebol americano, até mesmo nos intervalos, em vista as temperaturas mais baixas, passam seus intervalos pedalando em bicicletas ergométricas dispostas nas laterais do campo. Exagero? Não! Profissionalismo!

Muito se alega que a pessoa cansaria, ou usaria as “reservas de ATP” no aquecimento e poderiam comprometer o desempenho. Atletas que treinaram sério, não cansam ao fazer aquecimento, tão pouco no ALONGAMENTO DINÂMICO. Se você tem essa concepção é porque não treinou ou não está realmente preparado para aquele percurso.

Alongamento dinâmico? Sim! Existem outros modelos de alongamento. Além do dinâmico temos o ESTÁTICO (todos conhecemos), por FNP - FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA (pergunte ao fisioterapeuta), o ESPECÍFICO e o PASSIVO (usa a gravidade ou a própria natureza da articulação).

A duração do alongamento tem muito haver com o nível de esforço a qual será submetido; a intensidade pode sim ser diferenciada visando os resultados, mas de forma alguma alongar seria um “estorvo” de tempo. Profissionais que chegam atrasados, alunos preguiçosos e falta de conhecimento são os maiores adeptos do treinar sem alongar.

Mais força? Mais velocidade? Mais agilidade? Alongue!

Comente o que achou.

Clique aqui

Ao se aproximar as férias escolares os pais sofrem também com as férias das “escolinhas desportivas” observando apenas a ausência do exercício direcionado, deixando de perceber que é justamente nas férias que eles se divertem, avançam na criatividade, deixam bem claro o quanto aquilo ali os faz bem ou não.

Alguns ex-alunos meus, no período de férias, iam para o litoral e advinha, nadavam. Como ex-técnico de natação eu entendia que isso era um bom reflexo apesar de que nas férias lhes era solicitado que fizessem de tudo um pouco, menos nadar.

Chega né!? Engraçado que os atletas que treinavam comigo, que possuíam melhores rendimentos, já tinham passado por lutas, ginástica, futebol... Brincar, talvez, elevasse a quantidade e a qualidade de recursos num atleta em formação.

Hoje vemos crianças de 8 a 11 com vidas e rotinas de atletas. Pais ausentes (que só levam) ou frustrados permitem que seus filhos percam preciosos tempos e aprendizados brincando. Não adianta “se livrar” dos filhos na escolinha ou tentar fazê-lo um Neymar, pois seu sonho era ter sido jogador, pais e mães devem dividir essa responsabilidade matriculando-se na vida e no desenvolvimento de seus filhos. Já percebeu que nossos jovens talentos não chegam a ser campeões olímpicos?

Não impor a modalidade! Deixe que eles escolham! As brincadeiras do quintal foram o que deixaram claro que aquela menina viraria um dia a Daiane dos Santos; os dribles no cachorro formaram o grande Ronaldinho gaúcho.

Uma outra coisa: nas férias que eles crescem! Sabia?

A densidade mineral óssea atinge cerca de 90% do seu pico no final da segunda década. Ela sofre forte influência de fatores endógenos (genética, raça, aumento dos hormônios anabólicos associados à puberdade - o hormônio do crescimento) e exógenos (o exercício e a nutrição). O exercício fornece subsídios e sinalizadores para o crescimento ósseo e no descanso que o hormônio do crescimento acha espaço para “espichar” a criança e o adolescente.

Enquanto a atividade física moderada estimula o desenvolvimento ósseo, o atraso provocado pelo treinamento físico vigoroso pode comprometer a aquisição da massa óssea ideal em especial nas meninas. Entenda que esse não é motivo para que não façam esportes, mas que sejam devidamente acompanhadas por profissionais habilitados.

Faça um teste: se seu filho tem de 9 a 12 anos, pratica uma atividade física regular superior a três vezes por semana, meça ele (a). Anote seu comprimento antes e pós-férias, depois compare durante um semestre de treinos. Talvez você possa se surpreender.

Deixa seu campeão olímpico brincar!

 

Leia mais em:

http://www.scielo.br/pdf/rpp/v26n4/a13v26n4.pdf

Comente o que achou.

Clique aqui

Comente o que achou.

Clique aqui

 

CADA ATIVIDADE COM SEU CORPO: E O SEU ACOMPANHA?

É importante, na busca de melhores resultados ou performances, começar a se ater a detalhes dentre eles melhores aparelhos, suplementação, planificação, profissionalismo (ou maiores responsabilidades) e caracterização de um biótipo mais dinâmico e eficiente. Regras não sobrevivem a exceções! Grave isso!

Existem sim pessoas talentosas que “furam” os estudos mecânicos em virtude desse “algo a mais” chamado componente humano. Está no jogador sobrepeso que consegue desiquilibrar uma partida e dar a vitória a sua equipe; o campeão que supera a baixa estatura; o menino que treina sozinho, sem tecnologias e vence; o gigante Usain Bolt, último a sair do bloco de largada e que quebra o recorde mundial... Mas a maioria de nós ainda é regido pelas regras.

 

Precisamos nos acostumar com isso: para os mortais, não existe resultado sem treino, ganho sem suor, medalha sem choro, superação sem dor. Quem esta fora do olimpo precisa cair real que mesmo sem buscar pódio, a melhoria do resultado carece tempo e outros esforços dentre elas estarem mais próximos ao que o esporte praticado solicita.

Longe de mim pedir ou impor que todos fiquem como os maratonistas quenianos, como também é impensado um Vanderlei Cordeiro de Lima fazendo futebol americano, mas se o foco é a maratona ou o esporte tradicional e viril americano, desculpa, será complicado se dar bem com cada quilo a mais (ou a menos) que deseja carregar (ou deixar). Fato: essas características físicas similares devem ser buscadas.

Sabe-se que, conforme o biótipo, as pessoas são classificadas em três grupos: os mais gordinhos (endomorfos), os fortinhos (mesomorfos) e os magrinhos (ectomorfos). Importante assim não confundir classificação de biótipo com o momento que a pessoa está.

O biótipo é percebido mesmo que ela esteja sobrepeso ou muito magra, pois nota-se visivelmente a estrutura física característica ainda evidente. Mesomorfos e endomorfos conseguem ganhar massa muscular com mais facilidade, enquanto ectomorfos conseguem melhores desempenhos em provas de equilíbrio e resistência absoluta. Qual é sua VIBE?

Observe e tente então descrever (tirando suas próprias conclusões) qual seria o perfil desejado para alguém que pretende enfrentar uma prova de meia (21Km) ou maratona (42Km)? Que qualidades ou habilidades se esperam de alguém que pretende subir uma montanha ou aprender fazer escalada?

Não é fácil “fabricar” um corpo ideal partindo de um biótipo que é mecanicamente inferior. Imaginar um meio de rede ou um pivô de basquete com menos de 1,80m de altura, somente se ele for quase um Michael Jordan, ou seja, um talento acima da média.

Repito, não precisa ter o corpo deles (as) pra fazer sua atividade, mas se o seu negócio vai evoluir para performances máximas, vai ter que se transformar ou se adaptar.

Percebeu que isso vira um projeto? Qual é o seu?

LUTAS
LUTAS
press to zoom
CORPOS
CORPOS
press to zoom
EFICIENCIA
EFICIENCIA
press to zoom
MECANICA
MECANICA
press to zoom
VENTO
VENTO
press to zoom
CORPOS2
CORPOS2
press to zoom

"Se o seu negócio vai evoluir para performances máximas, vai ter que se transformar ou se adaptar".

Sem Mimimi!

Começou? Então seja regular. Não falte por qualquer coisa.

Chuva:

Ela não pode e não é desculpa, pois academias (e talvez o condomínio) tem esteiras modernas que calculam tudo que precisa saber e ainda oferecem a possibilidade de reduzir riscos de lesões.

As academias estão acostumadas com essa necessidade que muitas delas cobram diárias de uso não sendo necessário pagar as apimentadas mensalidades que sabemos.

O tênis não secou:

No atual mercado em que pela internet você pode pedir e parcela-lo, que tal ter pelo menos dois pares? O investimento em tênis deve ser proporcional a sua motivação. Mas não compre um produto tão caro apenas para “desfilar”. Se vai enfrentar treinos de rua, vai precisar de um parceiro que lhe poupe as articulações e lhe forneçam justificativas para a próxima desculpa...

Dores musculares:

Costumo dizer que essa é uma contra indicação relativa. Atletas convivem com elas e normalmente sabem até onde podem ir em vista de seu profissionalismo.

Foi o tempo que treino bom era aquele que deixava dolorido no dia seguinte, portanto conversar com o profissional que o (a) orienta é vital para evita-las.

A maioria delas provem de mau condicionamento físico, técnica mal realizada (aqui entra a postura), over treino, o famoso “pegou pesado demais”, e da falta de orientação adequada. Se seu professor é do tipo “NO GAIN, NO PAIN” bem delicadamente pede pra ele fazer por você.

Uma resalava, se você já passou da fase inicial, a dor será vez em quando sua companheira de treino para alcançar a sua meta, portanto... GO!!

Conheça seu corpo sem expor seus limites fisiológicos!

PILATES OU MUSCULAÇÃO: QUAL É O MELHOR INVESTIMENTO?

Comente o que achou.

Clique aqui

Percebemos que quando começo a levar a sério alguma atividade física reparo que preciso investir um pouco mais em alimentação, regrar alguns exageros, mudar alguns hábitos e dar um PLUS na musculatura que esta sendo exigida. Dentro da possibilidade financeira e da real necessidade particular investimos em novos profissionais e / ou terapias.

Esses treinos “extras” são devolvidos ao atleta na forma de resultados mais expressivos ou menos sofridos. Já pontuamos sobre o assunto, hoje resultados têm muito a ver com planejamentos macros e multi profissionais e não mais somente do empirismo e do talento individual.

A grande maioria das pessoas não pensa em chegar a um nível olímpico ou mundial, mas sim quebrar seus próprios recordes então, se pretende fazer algo com mais vitalidade que tal investir num complemento?

PILATES

O método tem como foco a execução de exercícios de baixo impacto e com poucas repetições prometendo resultados eficazes com menos desgaste das articulações e dos músculos. Segundo os profissionais que trabalham com o método, versatilidade, variedade de movimentos e ênfase clara nos exercícios e controle respiratório podem ser feitos, se bem orientados (profissionais ok?), por vários segmentos etários e de condição física.

Há sim ganho ou melhoria no tônus muscular (sensação que o músculo esta mais “duro”), mas seus resultados serão melhor percebidos na flexibilidade e na postura que em si no ganho de força.

 

"a escolha deve estar ligada ao perfil e necessidade de cada um".

FORÇA
FORÇA
press to zoom
RESPIRAR
RESPIRAR
press to zoom
ALONGAR
ALONGAR
press to zoom
PERSEVERAR
PERSEVERAR
press to zoom
FOCO
FOCO
press to zoom
MANTER
MANTER
press to zoom

MUSCULAÇÂO

Talvez seja a primeira coisa que o atleta, novo ou profissional, pensa em fazer quando espera melhorar seus resultados, no entanto o que se pretende tem que casar com que o profissional da academia pretende, pois não é novidade ouvir e ver pessoas descontentes com os resultados diferenciados e erros de planejamento na hora que se espera o resultado.

Diferente do PILATES que abrange uma quantidade maior de pessoas, a musculação requer orientação e planejamento mais próximo da realidade e da individualidade precavendo-se dos exageros e dos riscos de lesões por falta de orientação.

Ir a academia para fazer séries e sequencias pré-fabricadas não tem muito a ver com os altos valores cobrados por elas hoje em dia. Se pago caro, mereço receber pelo menos mais atenção. Se paga para malhar pela MARCA ou pela qualidade do LOCAL DE TREINAMENTO?

NO PILATES E NA ACADEMIA

Uma dica valiosa: seja no studio ou nos aparelhos, que o profissional possa incrementar um precioso componente: o treino de isometria.

Segundo o site EU ATLETA a isometria é “um recurso para o treinamento de força, para a musculação; (...) Pode fazer séries de isometria isoladamente ou junto com seus exercícios dinâmicos. Para a maioria de nós, essa combinação de isometria com exercícios dinâmicos traz maiores benefícios, deixa os treinos mais exigentes”...

Os treinos isométricos também ajudam na concentração do atleta, pois mais que repetições, ele precisa ter foco para realizar esses exercícios tornando mais evidentes os resultados e o sentimento de exercício realizado. Experimente por na sua rotina um exercício de PRANCHA ISOMÉTRICA e vai entender.

a ESCOLHA deve estar ligada ao perfil e necessidade de cada um, mas bons profissionais são vitais em qualquer processo de construção.

Comente o que achou.

Clique aqui